15% dos professores do Centro-oeste sofrem de Burnout

Cartilha sobre Burnout em professores (distribua!)

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Link Correto: Guia rápido da Reforma Ortográfica

Guia Rápido da Reforma Ortográfica

Aproveite para fazer o curso gratuíto "Reforma Ortográfica"


1) Acesse o site www.chafic.com.br

2) Clique na Guia EAD do Menu.

3) Faça seu cadastro para registrar um nome de usuário e uma senha pessoal.

4) Faça seu login com o nome e a senha que você escolheu e clique nos cursos gratuítos disponíveis.

Atenciosamente,

Prof. Chafic

www.chafic.com.br




--

Chafic Jbeili
Psicanalista e Psicopedagogo
Diretor e editor Chafic.com.br - www.chafic.com.br
Diretor-executivo ABMP/DF - www.abmpdf.com
Presidente Sopensar - sopensardf.blogspot.com

Chafic.com.br
Suporte e formação continuada para educadores
(61)3377-9175 | (61)8490-3648
Site: www.chafic.com.br
E-mail: secretaria@chafic.com.br
MSN: cursoschafic@hotmail.com
Skype: Chafic_Jbeili
Brasília-DF | Brasil

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------
Antes de imprimir qualquer documento, tenha certeza de que seja
realmente necessário, assim você pensa no meio ambiente e
diminui o impacto de suas ações sobre ele.
-----------------------------------------------------------------------------------------------------------

Guia rápido da Reforma Ortográfica

Guia Rápido da Reforma Ortográfica

Aproveite para fazer o curso gratuíto "Reforma Ortográfica"


1) Acesse o site www.chafic.com.br

2) Clique na Guia EAD do Menu.

3) Faça seu cadastro para registrar um nome de usuário e uma senha pessoal.

4) Faça seu login com o nome e a senha que você escolheu e clique nos cursos gratuítos disponíveis.

Atenciosamente,

Prof. Chafic

www.chafic.com.br

domingo, 25 de outubro de 2009

[Cursos Prof. Chafic] Violência Infantil

Recomendo:
Curso livre EAD: Violência Infantil: Identificação e Prevenção

Carga Horária: 90h/a
Investimento: R$179,10
3X R$ 59,70 - Sem Juros no cartão!

Aula presencial Pós-Graduação (Ceilândia-DF)

Pós-graduação em Psicopedagogia Clínica e Institucional com ênfase no Desenho Infantil.

Evento: Aula Presencial - Terceiro Módulo:
Data: 07 de novembro de 2009.
Horas: das 9h às 17h
Local: Colégio Eficaz, QNM 5/7, Área Especial A, Ceilândia Sul / Brasília-DF, CEP: 72215-055
Café da manhã: SIM.
Facilitadora: Profa Cintia Folgierini

Canais de atendimento e informações:
Coordenação Técnica: Prof. Chafic Jbeili - chafic.jbeili@gmail.com
Coordenação Operacional: Rose Jbeili -  rosejbeili@gmail.com
Secretaria: Nara Rúbia - secretaria@chafic.com.br
Suporte ao aluno: Tatiane Lima: suporte@chafic.com.br

Disciplina:
A prática clínica e institucional no âmbito da psicopedagogia:

Por meio desta disciplina o cursista estudará as bases legais da Constituição Federal, a LDB e outras portarias que normatizam a prática psicopedagógica, bem como os objetivos dos concursos públicos para contratação de psicopedagogos para as redes de ensino público e a atuação deste profissional na área de Recursos Humanos em empresas particulares, além de outras instituições como hospitais, clínicas de reabilitação, creches e casas-lares. Ao final deste módulo o cursista terá compreendido os aspectos legais da prática psicopedagógica bem como conhecerá seu vasto campo de atuação, podendo escolher em qual ambiente deseja efetivar sua prática profissional

Informações e reservas:
Rose Jbeili - Coordenação Operacional
rosejbeili@gmail.com
(61)3377-9175

www.Chafic.com.br
Suporte e formação continuada para educadores
(61)3377-9175 | (61)8490-3648
E-mail: secretaria@chafic.com.br
MSN: cursoschafic@hotmail.com
Skype: Chafic_Jbeili
Brasília-DF | Brasil

------------------------------
Antes de imprimir qualquer documento, tenha certeza de que seja
realmente necessário, assim você pensa no meio ambiente e
diminui o impacto de suas ações sobre ele.
------------------------------

domingo, 26 de julho de 2009

DO SONHO DE SER PROFESSOR AO PESADELO DE SE TORNAR UM EDUCADOR STRESSADO E DEPRIMIDO

Autor: Eduardo Aquino

Será que estamos surdos, cegos e mudos frente à epidemia da falência afetiva e absoluto esgotamento físico e mental dos professores, supervisores, coordenadores, enfim a todos os professos que atuam em educação?!

Será que prefeituras e Estado, com suas secretarias de Educação, e também a esfera federal já ouviram falar na "Síndrome de Burnout"?!

É hora de acordarmos para uma realidade que mais parece um pesadelo.
"Síndrome de Burnout"

Burnout vem do inglês - queimar por fora - e é um tipo de doença cada vez mais grave que vem dizimando professores e educadores e tem três características marcantes:

1 Fadiga intensa com cansaço constante;
2 Indiferença, "robotização" e desafeto de educadores no exercício da sua profissão;
3 Angústia, tristeza, desesperança que leva a uma aversão ao se enfrentar uma sala de aula.

Tem sido ainda descrita como a Síndrome dos Três "Não":
1 Não quero mais esta "atividade";
2 Não consigo mais dar aulas;
3 Não tenho mais motivação e estímulo para ser "professor";

Tal quadro é ainda acompanhado por diversos sintomas físicos inespecíficos tais como:
Dor no corpo, tonteiras, dor de cabeça, dor no peito, falta de ar, baixa imunológica, entre outros, e por queixas psíquicas, tristeza profunda, irritabilidade, nervosismo, mau humor, "vontade de sumir, abandonar a profissão e até de morrer", medos, insegurança, ansiedade, pessimismo e aversão a sala de aulas entre outros.

Dois em cada 03 educadores tem, tiveram ou terão esta síndrome Impressionante o número de educadores que têm se afastado do trabalho por motivos médicos, aposentados por invalidez precocemente ou que tenha abandonado a profissão.

Será que políticos, empresários, grandes empresas que atuam em terceiro setor só acreditarão e investirão nos seres humanos que atuam na educação o dia em que a Síndrome Burnout der uma mancha vermelha na testa de educador?

Afinal, "dor na alma" e mente adoecida são coisas subjetivas e quando a prefeitura e o Estado investirão para reverter tal quadro?

Como bem sabemos, corrupção, desvios de verbas só ocorrem com coisas materiais como merenda escolar, material didático e reforma de escolas. Saúde do educador não é prioridade e ao se somar baixos salários, pais omissos e fracos e uma geração de jovens violentos, sem limite, indiferentes que banalizam sexo e drogas temos um retrato da sociedade refletida nas escolas públicas.

Continuo insistindo:
É URGENTE A NECESSIDADE DE SE INVESTIR PARA LEVAR O CONTEÚDO DA CIÊNCIA DO COMPORTAMENTO E NEUROCIÊNCIAS NA ROTINA DE ALUNOS, EDUCADORES, PAIS E FUNCIONÁRIOS DAS COMUNIDADES ESCOLARES.

Tenho apresentado a Ecologia Humana nas Escolas e vejo como é difícil sensibilizar o poder público, prefeitos, governadores, secretários de educação. Por isso, é fundamental para mudar essa realidade mobilizar pais e educadores para essa grande batalha.
Se você é educador e se identificou com este tema mande um e-mail, pois, enquanto não conseguimos sensibilizar autoridades, posso pelo menos mandar as 26 Dicas Antiestresse de Ecologia Humana. E não se esqueçam: a escola é o espelho da sociedade. Que alguns mecenas ou políticos com visão humana leiam esta coluna e nos ajude a escrever as páginas de um novo tempo.

Publicado em: 26/07/2009 em www.otempo.com.br

domingo, 29 de junho de 2008

Novas e recentes descobertas sobre a síndrome de burnout

Burnout: quando a chama apaga
Exauridos física e emocionalmente, profissionais adotam comportamento frio e cínico no trabalho
Sílvia Lisboa | silvia.lisboa@zerohora.com.br

Três em cada 10 profissionais brasileiros estão passando por uma preocupante mudança de comportamento causada pelo estresse crônico no trabalho. Eles não faltam ao serviço, mas passam a encarar as tarefas e os colegas com frieza e distanciamento. Desprezam as conquistas e vêem os novos desafios como inalcançáveis. A eficiência cai e, com freqüência, sentem-se péssimos por isso, mas não conseguem mudar. A chama do idealismo que os mantinha na luta se apagou.

Desde a década de 70, pesquisadores tentam entender como e por que bons trabalhadores acabam se tornando mortos-vivos no emprego, condição que médicos e psicólogos chamam de síndrome do burnout. Oriunda do inglês, a expressão significa fogo incontrolável e destruidor – o que em português passou a ser sinônimo de esgotamento. Diferentes teorias mostram que o estágio mais devastador do estresse que atinge 30% da população economicamente ativa brasileira, segundo uma pesquisa inédita da International Stress Management Association (Isma-BR), tem uma íntima relação com baixos salários e longas jornadas de trabalho.

Agora, um novo estudo conduzido pelos maiores especialistas em burnout do mundo, os psicólogos Christina Maslach e Michael Leiter, revela que esses não são os fatores cruciais. Após avaliar 992 funcionários de uma universidade, eles descobriram que a falta de consideração e as injustiças no ambiente laboral estão na origem do comportamento zumbi assumido por profissionais esgotados.

– O principal fator é a falta de transparência sobre os valores corporativos. Quando as organizações falham nesse quesito, os funcionários se tornam mais suscetíveis ao burnout – detalha Leiter, co-autor do livro traduzido para o português Trabalho: Fonte de Prazer ou Desgaste?

Leiter disse que a percepção do funcionário de que ele está sendo avaliado e tratado injustamente apareceu no estudo de muitas formas: tanto na figura de um supervisor desrespeitoso quanto na recusa mal explicada de uma promoção. A má notícia é que ninguém está imune ao estágio mais avassalador do estresse. Estudos mostram que os ingredientes que diferenciam um profissional no mercado – como a motivação, por exemplo - podem ser os mesmos que o levam ao esgotamento. Outrora idealistas, os trabalhadores acabam desenvolvendo mecanismos de defesa, como a frieza e o cinismo depois de anos de frustração e falta de reconhecimento.

Essa pode ser uma das explicações para o alto índice de burnout encontrado por uma pesquisadora entre professores da rede pública no Brasil. Ao tentar identificar em mais de 8 mil docentes da Educação Básica de um estado da região Centro-Oeste a presença dos sintomas que caracterizam a síndrome do burnout, a pesquisadora da Universidade de Brasília (UnB) Nádia Leite descobriu dados estarrecedores. Cerca de 15,7% dos docentes tinha a síndrome e quase 30% apresentaram exaustão emocional em nível considerado crítico. Ou seja, estavam à beira do esgotamento total. A baixa realização profissional foi citada por 31,2%, enquanto 14% estavam distantes dos alunos.

– O burnout não é nem mais estresse. Com estresse, a pessoa luta. No burnout, ela desiste de lutar e perde as condições de se reabilitar sozinha. Mas continua trabalhando. Por isso, é uma desistência simbólica. Ela está e não está em sala de aula – explica a psicóloga Nádia Leite, colaboradora do Laboratório de Psicologia do Trabalho da UnB.

Até os anos 80, o estresse era considerado um inimigo a ser combatido. Na década seguinte, descobriu-se que havia também o estresse benéfico, aquele sentido às vésperas de um encontro amoroso ou do nascimento de um filho, por exemplo. Eliminá-lo, portanto, não era algo desejável. Especialistas, então, passaram a falar em controlar o estresse. Mas não demorou muito para se descobrir que o termo também era inadequado. Dominar as emoções significa o mesmo que reprimi-las, e fazer isso poderia ser ainda mais prejudicial à saúde.

Hoje é consenso de que a melhor atitude é administrar o estresse. Mas como saber antes quando se está à beira de um esgotamento físico e mental, o terrível burnout? Em geral, as pessoas têm dificuldades para perceber que estão no limite. Segundo a especialista em estresse Ana Maria Rossi, presidente da International Stress Management Association (Isma-BR), a maioria dos pacientes que chega a seu consultório já apresenta sintomas físicos. Outros, diz a especialista, acreditam que estão estressados quando não estão - uma pequena mudança na forma de encarar os tropeços da vida reverteria o quadro.

Para diagnosticar se um indivíduo sofre de estresse, os especialistas lançam mão de três métodos diferentes: autotestes, biofeedback e exames laboratoriais. O ideal, salienta Ana Maria, é uma combinação dos três. De fácil aplicação, os autotestes avaliam diferentes aspectos da personalidade do indivíduo, comportamento e a freqüência de sintomas físicos como perda de sono, alteração no apetite, ansiedade etc. Nos últimos anos, um novo ingrediente passou a figurar nas auto-avaliações. Reconhecendo o estresse como parte da vida moderna, os pesquisadores começaram a medir a capacidade do indivíduo de lidar com situações adversas. O método tem, porém, uma limitação. O fato de estar baseado apenas na percepção do indivíduo requer que ele não seja usado como único critério de diagnóstico.

A segunda técnica, conhecida como biofeedback, consiste na aplicação de sensores para medir processos fisiológicos, como a freqüência cardíaca, temperatura das extremidades, suor das mãos, tensão muscular, pressão arterial e atividade cerebral. Como nosso corpo transmite sinais elétricos, os eletrodos posicionados em áreas específicas conseguem atestar o grau de comprometimento do organismo com o estresse. Embora seja necessário o uso do equipamento, é possível verificar algumas medidas em casa (veja no quadro à direita como elas podem ser feitas).

Exames laboratoriais são a terceira arma para diagnosticar o estresse. Dois são os mais usados atualmente: medição da concentração do hormônio catecolamina na urina e do cortisol na saliva. Esses hormônios, assim como muitos outros, sofrem mudanças quando o corpo reage a situações tensas. Pioneiros na aplicação dos testes de saliva para medir o estresse, os cientistas do Laboratório de Estudo do Estresse (Labeest) da Universidade de Campinas (Unicamp) descobriram que a biologia sobre alterações de acordo com o grau e a causa de estresse. Em mulheres com endometriose (doença no qual o tecido que reveste o útero internamente se encontra fora da cavidade e provoca dores abdominais fortes) ou em vítimas de estresse pós-traumático, o nível de cortisol é abaixo do normal. Em vestibulandos e atletas, há um aumento da concentração do hormônio do estresse. Testes de saliva aplicados em 92 estudantes na véspera e no dia do vestibular mostraram que o nível do hormônio estava mais elevado em setembro, período das inscrições, do que no dia da prova. Para ser fiel, é necessário repetir o exame mais de uma vez ao longo do dia.

O cortisol é apenas um dos hormônios suscetíveis ao estresse. Apesar de ser mais fácil medi-lo, a professora de Biociências da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Regina Spadari, colaboradora do Labeest, salienta que o estresse provoca uma série de outras alterações no organismo. O aumento das taxas de cortisol favorece a elevação da glicemia, dos ácidos graxos, a concentração de tecido adiposo na região abdominal e a perda de massa óssea.

- Não se pode banalizar o estresse. É normal vermos pessoas dizerem "não tem nada, é só estresse". Estresse é sério, e pode causar várias doenças - alerta Regina.
ZEROHORA.COM

quinta-feira, 12 de junho de 2008